Rua Ramos de Azevedo, 423 - Jardim Paulista - Ribeirão Preto - SP Fone: 0800 183566

Esqueci minha senha

Foi constituída em 15 de março de 2004, em atendimento à Medida Provisória 147/03, com as atribuições de conduzir os processos de avaliação internos da Instituição, de sistematizar e de prestar informações solicitadas pelo MEC, segundo as diretrizes da referida legislação. É composta por professores, funcionários, alunos e membros da comunidade externa.

Rua Ramos de Azevedo, nº 423 - Jd. Paulista
e-mail: cpa@baraodemaua.br
Informações: (16) 3603-6630

Apresentação

A avaliação institucional constitui-se em ferramenta chave para aprimorar a qualidade de ensino, da extensão, da gestão acadêmica e para fortalecer o comprometimento social da IES. Assim, buscando manter e aperfeiçoar a qualidade dos serviços prestados na área educacional de maneira permanente foi criado, em 1998, a primeira Comissão de Avaliação Institucional deste Centro Universitário. Teve, como primeiro objetivo, implantar e consolidar ao longo do tempo, uma cultura de avaliação junto à comunidade acadêmica, tendo como pressuposto que os padrões de qualidade somente seriam aperfeiçoados mediante um processo que pudesse apontar os pontos positivos, para aprimorá-los, e os fracos, para que fossem corrigidos – o processo de avaliação. Já, no segundo semestre de 1999, por meio de instrumentos de avaliação desenvolvidos pela própria Comissão para esse fim, foram coletadas informações de docentes e discentes, referentes à infra-estrutura, atendimento e organização dos cursos. No segundo semestre de 2000,  realizou-se outra avaliação da instituição com a participação de discentes. Os dados, que na primeira avaliação foram tabulados de forma unificada para todo o Centro Universitário, na segunda avaliação, foram agrupados para cada curso.  

Em 2002, com os desligamentos da Instituição de docentes membros da Comissão de Avaliação, foi necessária sua reestruturação. A nova comissão constituída buscou fomentar e consolidar a cultura de avaliação; proporcionar à Instituição mecanismos de auto-conhecimento necessários ao seu desenvolvimento, à promoção da qualidade e ao funcionamento da integração e colaboração interna; oferecer um fórum privilegiado de análise, julgamento, orientação e qualificação de auto-avaliação institucional, subsidiar a IES no cumprimento das obrigações legais e nos mecanismos de avaliação governamental pertinentes aos processos de credenciamento e recredenciamento e renovação de reconhecimento de cursos; tornar o processo de auto-avaliação um efetivo instrumento de gestão e de capacitação interna, acadêmica e administrativa, bem como alimentar as discussões no âmbito do sistema nacional de avaliação do ensino superior em busca da melhoria desse sistema.

A fim de poder realizar essas propostas de reestruturação, a nova comissão procedeu a tabulação, análise e apresentação de dados coletados nos anos de 1999 e 2000; produção de um documento para apresentação dos resultados dessas auto-avaliações; construção de instrumentos para coleta de dados junto à comunidade acadêmica (discentes, docentes e funcionários); aplicação desses instrumentos de coleta de dados em dois momentos no ano de 2003 (março e novembro); tabulação e análise dos dados coletados em 2003; produção de relatório para apresentação dos resultados da auto-avaliação institucional realizada em março de 2003; divulgação dos resultados para coordenadores de cursos, direção, alunos e funcionários, por meio de reuniões, cartazes e pela internet; criação de um link específico da Avaliação Institucional no portal do Centro Universitário, com um e-mail para contatos; definição do cronograma de ações da Comissão para os próximos anos.

Em 15 de março de 2004, para atender à Medida Provisória 147/03, esta Instituição de Ensino constituiu a Comissão Própria de Avaliação – CPA, com as atribuições de conduzir os processos de avaliação internos da instituição, de sistematizar e de prestar  informações solicitadas pelo INEP, segundo as diretrizes da referida legislação.

Após a análise das diretrizes contidas na Lei 10.861, de abril de 2004 e, com base no documento publicado pelo INEP – Roteiro de Auto-Avaliação Institucional: Orientações Gerais, os membros desta CPA, elaboraram o projeto de auto-avaliação

Em razão de alguns desligamentos foi necessária a substituição de alguns componentes da CPA em dezembro de 2005, A CPA deste Centro Universitário, com sua nova composição, implementou e cumpriu integralmente todas as ações propostas no Projeto de Auto-Avaliação dentro dos prazos estabelecidos.

Assim, em outubro/ novembro de 2004, foi feita a releitura de documentos da Instituição – PDI, PPC, Regimento, Relatórios Avaliação do MEC, Relatório Avaliação Interna, entre outros; foi redigida a introdução do projeto de auto-avaliação a qual inclui  histórico da Instituição, percurso do processo de avaliação na Instituição  e auto-avaliação e avaliações externas, e foram traçados objetivos da auto-avaliação em função dos referidos documentos.

Em janeiro/fevereiro/março de 2005, foram realizados a sensibilização e o envolvimento da comunidade acadêmica por meio de reuniões, seminários, palestras, com discentes, docentes, corpo técnico-administrativo e com a sociedade civil. Em 26 de fevereiro de 2005, promoveu-se um grande fórum com a participação de toda comunidade acadêmica para apresentação do SINAES, dos resultados de avaliações anteriores e do projeto de auto-avaliação construído pela CPA. Nesse fórum, divulgou-se um espaço e um período que foram reservados para recebimento de sugestões/contribuições de toda comunidade acadêmica para nosso projeto de auto-avaliação, em encontros com os diferentes segmentos e pela Internet. As demandas/idéias/sugestões originadas nesses encontros foram sistematizadas.

Disponibilizou-se no site os principais pontos do PDI, PPI, SINAES para maior divulgação, bem como informações sobre o andamento das discussões, horários de encontros e troca de e-mails.

comunidade acadêmica e sociedade civil também foram incentivadas para se integrar nos subgrupos de trabalhos complementares e de suporte à CPA.

A partir desses procedimentos, teve início a análise e a redação de proposta para questionários, câmaras de discussão, entre outros, que possibilitassem uma análise quanti-qualitativa dos dados. Definiu-se que a totalidade da população discente, docente e corpo técnico-administrativo da Instituição seria ouvida. Promoveu-se discussões com comunidade para sugestões/críticas/colaborações aos instrumentos de coleta de dados e após isso foi realizado um pré-teste. Definiram-se então os instrumentos finais, bem como a metodologia de análise e interpretação dos dados. Optou-se, nesse momento, por um instrumento no qual só seriam possíveis respostas sim e não, buscando, com isso, um posicionamento, de fato, da comunidade acadêmica em relação aos tópicos, deixando as justificativas das respostas para o momento das câmaras de discussão com a CPA, quando foram sistematizadas visando a análise qualitativa dessas.   A CPA buscou ouvir também a avaliação que os usuários faziam dos serviços prestados pelo CBM por meio da Farmácia Escola, Hospital de Ensino, Campus Veterinário, UBS Jardinópolis, Clínica de Fisioterapia, UBS Jardim Aeroporto e Laboratório de Análises Clínicas.

Em 2006, entendendo avaliação como um importante instrumento para a construção da cidadania, para melhorar o processo e o resultado, para auxiliar o aluno a motivar-se para novas aprendizagens, auxiliar o professor na compreensão do processo de aprendizagem e na sua auto-avaliação, para orientar os líderes educacionais, como uma ferramenta chave para aprimorar a qualidade de ensino, da extensão, da gestão acadêmica e para fortalecer o comprometimento social da IES (Instituição de Ensino Superior) é que esta Comissão Própria de Avaliação (CPA), em continuidade ao processo de auto-avaliação do Centro Universitário Barão de Mauá, iniciou mais uma etapa nos meses de outubro e novembro. Assim, em agosto e setembro, divulgou à toda comunidade acadêmica o período no qual aconteceria a avaliação, solicitou o apoio de todos os coordenadores de cursos da IES, no sentido de que determinassem a seus professores, o encaminhamento dos alunos aos laboratórios de informática, facilitando, assim, a participação destes no processo de avaliação, e, após construção, testagem e validação, disponibilizou pela internet, instrumentos de avaliação direcionados aos discentes, aos docentes e ao corpo técnico-administrativo. Os dados foram tabulados pelo sistema do Centro de Informação Tecnológica – CIT desta Instituição de Ensino e enviados aos componentes desta CPA para descrição.

No ano de 2007, a Comissão Própria de Avaliação – CPA, do Centro Universitário Barão de Mauá, de Ribeirão Preto-SP, sempre atenta ao processo histórico evolutivo desta IEs e as suas realizações, e em continuidade com seus compromissos com uma avaliação marcada por ações, processos e reflexões que conduzem ao seu autoconhecimento, visando sempre à melhoria na qualidade do ensino e com responsabilidade social,realizou processo de auto-avaliação que teve como foco a dimensão didático-pedagógica. Após ampla discussão, construiu instrumentos próprios contendo escala valorativa dos aspectos a serem avaliados, embasados em indicadores previamente selecionados. Em março de 2008 apresentou relatório contendo os instrumentos utilizados para coleta de dados, bem como os respectivos resultados obtidos no processo de auto-avaliação, buscando consolidar ainda mais a cultura do processo de avaliação; proporcionar ao Centro Universitário mecanismos de auto-avaliação necessários ao seu desenvolvimento; promover a qualidade do ensino; integrar e colaborar com o funcionamento interno; oferecer um fórum privilegiado de análise, julgamento, orientação e qualificação da auto-avaliação institucional aliado ao processo de avaliação externa realizada por avaliadores profissionalmente qualificados; e, por fim, atender as exigências do MEC e os ditames legais.

Todos os relatórios encontram-se à disposição neste Centro Universitário.

No ano de 2008, em continuidade ao processo avaliativo, os componentes da CPA, em reuniões semanais traçaram o projeto de auto-avaliação anual, que se iniciou em agosto com término previsto em junho de 2009, já que os fóruns com cada segmento da comunidade acadêmica, curso a curso, departamento a departamento, buscando qualificar e sistematizar os resultados encontrados pela coleta quantitativa de dados estão previstos para o mês de maio. O processo teve inicio com reuniões realizadas com todos os coordenadores e representantes de salas de cada um dos cursos, em cada uma das unidades, bem como com os chefes de setores administrativos, com a finalidade principal de divulgar o novo processo de auto-avaliação que aconteceria em outubro, quando foram disponibilizados os instrumentos por meio eletrônico a todo corpo discente, docente e técnico-administrativo.

Assim, em agosto e setembro, divulgou-se a toda comunidade acadêmica o período no qual aconteceria a avaliação, solicitou-se o apoio de todos coordenadores de cursos da IES, no sentido de que determinassem a seu professores, o encaminhamento dos alunos aos laboratórios de informática, facilitando, assim, a participação destes no processo de avaliação. Aos alunos foi solicitado que conversassem com seus pares no sentido de divulgarem a importância do processo de auto-avaliação para a vida acadêmica de todos, já que os resultados fornecem subsídios para o plano operativo da IEs. Os docentes participaram do processo, com acesso livre à Internet durante o mesmo período. Aos responsáveis pelos departamentos técnico-administrativos foi solicitado que orientassem e possibilitassem o acesso à Internet para seus colaboradores. No mês de outubro, como era previsto e após todo o processo de divulgação, disponibilizou-se pela internet, os instrumentos de avaliação direcionados a todos os discentes, docentes e ao corpo técnico-administrativo.  Cabe ressaltar que, após varias discussões os integrantes da CPA decidiram utilizar os mesmos instrumentos de coleta de dados do processo avaliativo de 2006 (apêndice A), entendendo que seria importante um comparativo para analisar a evolução histórica desse processo.

O QUE É O SINAES - Sistema Nacional de avaliação do Ensino Superior

SINAES
• Instituído pela Lei 10.861, de 14 de abril de 2004;
• Criou a Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES) – supervisão e coordenação do SINAES – estabelece diretrizes, critérios e estratégias para processo de avaliação;
• finalidade básica – reformular os processos e políticas de avaliação da educação superior;

SINAES – constituído por 3 ETAPAS
• Avaliação das Instituições de Educação Superior (Avalies) – duas etapas:
• Auto-avaliação – coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA);
• Avaliação externa – comissões designadas pelo Inep (diretrizes da Conaes);
• Avaliação dos Cursos de Graduação(ACG) – visitas in loco de reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos;
• Avaliação do desempenho dos estudantes - Enade

Avaliação Interna ou Auto-avaliação
Principais Objetivos:
• Produzir conhecimentos;
• Compreender os sentidos do conjunto de atividades e finalidades cumpridas pela IEs;
• Identificar causas dos problemas e deficiências;
• Aumentar a consciência pedagógica e a capacidade profissional do corpo docente e técnico – administrativo;
• Fortalecer as relações de cooperação entre os diversos atores institucionais;
• Tornar mais efetiva a vinculação da instituição com a comunidade;
• Julgar acerca da relevância científica e social de suas atividades e produtos;
• Prestar contas à sociedade.

Avaliação Externa
• Realizada por COMISSÕES DE ESPECIALISTAS externos à instituição (INEP);

Principais Objetivos:

• Contribuir para o auto-conhecimento e aperfeiçoamento das atividades desenvolvidas pela IEs;
• Trazer subsídios para regulação e formulação de políticas educacionais.

Estratégias:
• Análises documentais;
• Visitas in loco;
• Interlocução com membros da instituição e da comunidade local ou regional.

Finalidades:
• Identificar acertos e equívocos da avaliação interna;
• Apontar fortalezas e debilidades institucionais;
• Apresentar críticas e sugestões de melhoramento;
• Apontar providências a serem tomadas – pela IEs ou pelos órgãos competentes do MEC.


  PROUNI FIES Escola da Familia

0800 183566

Facebook Twitter Google + Youtube Pintrest  

Todos os direitos reservados Centro Universitário Barão de Mauá, Ribeirão Preto - SP